O raio x de um bom vídeo - Enfim, a parte 2

Esta é quinta edição da minha newsletter e aqui vão as minhas dicas para já começar largando na frente enquanto seu vídeo ainda não subiu pro YouTube.

Tarda, mas não falha.
Esse bem que poderia ser o lema desta quinta edição da Criando Vídeos, mas eu aposto que no fim dessa newsletter você vai concordar que toda essa espera valeu a pena.

Dessa vez, resolvi trazer um modelo prático e comprovado para te mostrar que o seu vídeo precisa de uma boa história em uma estrutura simples para fazer sucesso ou se destacar nas plataformas.

Para comprovar o meu ponto, assista a uma das melhores produções que já vi ao longo desses anos no YouTube e que é assinada por ninguém menos que o Casey Neistat:



Você já ouviu falar do AIDA?
Essa palavra é uma sigla para Atenção, Interesse, Desejo e Ação, que pode ser aplicado para “entender o comportamento do consumidor e, assim, guiá-lo de maneira mais satisfatória pelo Funil de Vendas”. Trazendo esse conceito para os vídeos, podemos usar essa estrutura para despertar a vontade do nosso público e direcionar as pessoas para determinada ação.

No caso, você vai perceber que o Casey, junto com seu amigo Max, articulou esse vídeo e trabalhou todos os elementos para criar um conteúdo com uma mensagem super poderosa e de bastante relevância mesmo anos depois.
Sem mais demora, vamos aos fatos.

Atenção

Em um primeiro momento, sabemos que é preciso despertar a curiosidade das pessoas e, nesse vídeo, o Casey faz isso maravilhosamente bem ao articular o produto, a corrida e a mensagem de liberdade criativa em relação à proposta comercial da marca - o que cá entre nós, tem tudo a ver com o espírito de liberdade que a Nike propõe.

Você vai reparar que as cores, a fonte branca sobre o fundo preto e a forma como todas aquelas imagens e sons se articulam estão ali para estimular as pessoas a pararem o que estiverem fazendo e prestarem atenção no vídeo. Dito isso, vamos para a próxima etapa.

Interesse

O que ele vai fazer? Logo nos primeiros segundos, a gente se pergunta sobre que rumo essa história vai tomar. Focar no processo da viagem, ou seja, no desenrolar dessa peripécia é uma das muitas maneiras de nos envolver na narrativa.

Logo de cara, já temos indícios suficientes de que essa jornada vai valer a pena e que estamos vivenciando uma viagem única. Você também deveria fazer isso nos seus vídeos.

Desejo

Viagens são uma mistura maluca de prazeres e perrengues. Por isso, na hora de criar o mote para o desejo, a dinâmica do vídeo vai acelerando e visualizamos repetições como comida, embarques e “cartões postais”. Tudo isso articulado à ideia central do vídeo: que é a experiência do produto e suas possibilidades maravilhosas implícitas.

Se desbravar o mundo, testar limites e viver experiências incríveis é o sonho de muita gente, adicione a essa proposta uma trilha envolvente e cortes rápidos para despertar o desejo em seu grau máximo. 😄

Ação

O famoso Call to Action (CTA) ou chamada para ação é uma parte essencial do seu vídeo, pois é a oportunidade perfeita para manter a conversa e direcionar as pessoas interessadas em seu conteúdo para que realizem algo, ou seja, para que haja uma conversão.

Muita gente costuma pensar que o CTA é apenas uma frase com o “clique aqui” ou “acesse esse link”, mas na verdade, o call to action de Make it count é sua própria hashtag.

Por que acabar com a experiência de fruição de um vídeo incrível se podemos fazer as pessoas comentarem sobre ele e estendermos o alcance e presença da mensagem?

Gary Vee, referência em Marketing Digital, chama essa estratégia de pingue-pongue. O que na prática significa não deixar a conversa com a sua marca acabar ali.

Falando em términos, vou ficando por aqui.

Daqui quinze dias, mais ou menos, tem mais Criando Vídeos. 😁

Enquanto isso, que tal curtir esse texto e compartilhá-lo com alguém que possa gostar ou discordar do que eu falo aqui? Vai ser um prazer estender essa conversa além dessa edição.

#criandovideos


Make It Count: livros selecionados 

  • Em Águas Profundas: criatividade e meditação - David Lynch compartilha seus pensamentos e vivências sobre criatividade nesse livro curtíssimo e cheio de reflexões sobre autenticidade. Pretendo reler daqui algum tempo.

  • Gratidão: como gerar um sentimento incrível de satisfação em todos os seus clientes: Volume 1 - Essa é uma daquelas publicações que a gente se pergunta: Por que eu não li esse livro antes? A indicação veio do Pedro Sobral e eu assino embaixo para quem deseja entender como a economia da gratidão funciona e como ela pode te ajudar a se posicionar melhor no mercado.

  • Roube como um artista: 10 dicas sobre criatividade - Se você assina o Kindle Unlimited, precisa baixar esse livro agora. Apesar do título despertar certa desconfiança, você vai encontrar boas referências e uma escrita fluida.

    Inclusive, a experiência de ler esse conteúdo me lembrou muito as newsletters que assino. Pensei até em comentar sobre algumas delas na próxima edição, o que você acha? Se você quer conteúdos como esse, deixe seu comentário aqui embaixo para eu entender se é do seu interesse.

Escrever um comentário


🎥 Textos por Rebeca Penido. Videomaker, criadora do site Margô Filmes e das dicas imperdíveis dessa newsletter quinzenal.

Enquanto você não coloca o próximo projeto para renderizar, compartilhe esse conteúdo com suas amigas e amigos e conheça o site da Margô Filmes.